Total de visualizações de página

27 de jan de 2011

TAM - Transportes Aéreo Marília

A TAM Linhas Aéreas é a maior companhia aérea do Brasil, assim como de toda a América Latina, sendo uma das 20 maiores do mundo e a líder no Hemisfério Sul em número de passageiros transportados. Ao longo dos anos a TAM vem consolidando uma estratégia de crescimento com o objetivo de ser uma das maiores empresas de aviação do mundo, sendo atualmente a única integrante sul-americana da Star Alliance, que é a maior aliança mundial de companhias aéreas. O seu faturamento em 2008 foi de mais de 11 bilhões de reais, sendo uma das 50 maiores empresas do país.[1]
Sua sede está localizada na cidade de São Paulo, que é o seu principal centro de operações (ou hub). Fazem parte do Grupo TAM Linhas Aéreas, a TAM Airlines (TAM Mercosur), subsidiária paraguaia, TAM Cargo, Pantanal Linhas Aéreas, TAM Viagens e a TAM Aviação Executiva.
Opera 52 destinos divididos por todos os estados brasileiros, e opera rotas internacionais para: América do Norte, América do Sul e Europa.
A TAM possui uma frota composta por aviões Airbus e Boeing. Fundada em fevereiro de 1961 como empresa de táxi aéreo na cidade de Marília, interior de São Paulo (TAMTáxi Aéreo Marília). Iniciou suas atividades com quatro Cessna 180 e um Cessna 170, transportando mercadorias e passageiros entre os Estados do Paraná, São Paulo e Mato Grosso. Hoje, a sigla TAM significa Transportes Aéreos Meridionais.

História

Década de 1960
Na cidade de Marília, a TAM foi fundada em 21 de fevereiro de 1961, a partir da união de dez pilotos. Na época, eles faziam o transporte de cargas e de passageiros entre o Paraná e os estados de São Paulo e do Mato Grosso. Após seis anos a empresa foi comprada pelo empresário Orlando Ometto, que mudou a sede para a capital paulista, dedicando-se exclusivamente ao transporte de malotes.

Década de 1970
Em 1971, o comandante Rolim Amaro, que já havia trabalhado na companhia em seus primeiros anos de funcionamento, é convidado por Orlando Ometto para ser sócio minoritário da empresa. No ano seguinte, o piloto adquire metade das ações da TAM e assume a direção.
O ano de 1976 marca o surgimento da TAM - Transportes Aéreos Marília, que dá origem à empresa conhecida hoje como TAM. Rolim detém 67% do capital da nova empresa, com atendimento voltado para o interior de São Paulo, Paraná e Mato Grosso.

Década de 1980
A década de 1980 marca um período de crescimento. A mudança começa com a chegada dos turbohélices Fokker 27, substituindo os aviões mais antigos. A empresa foi praticamente reconstruída com investimento privado de grupos de pequenos acionistas que ingressaram naquele mercado. Pode-se dizer que a empresa ressurgiu nesta época e o seu nome como hoje conhecemos foi inaugurado para o mercado financeiro nos anos 80.
O primeiro grande salto da malha da empresa vem em 1986, com a aquisição da companhia aérea Votec. Com a medida, a TAM estende as suas atividades para as regiões Centro-Oeste e Norte do país.

Década de 1990
A empresa ganha mais visibilidade com a chegada dos Fokker 100, inaugurando uma nova era na aviação regional.
Em 1993, a TAM lança com pioneirismo o Programa Fidelidade, que se destaca por não prever limitação de assentos para as passagens gratuitas.
O ano de 1996 marca o início das operações da TAM em todo o território nacional. A TAM adquire a companhia Lapsa do governo paraguaio e cria a TAM Mercosur.
Outra iniciativa estratégica é a compra de uma área de 447 hectares na região de São Carlos, no interior de São Paulo, que hoje é a sede de seu Centro Tecnológico.
Em 1998, chegam à TAM seus primeiros Airbus A330 e a empresa inaugura os voos internacionais com a rota São Paulo-Miami. No ano seguinte, é a vez do primeiro destino para a Europa, Paris, em parceria com a Air France.

Anos 2001-2004
A TAM começa em 2000 uma ofensiva fase de crescimento, mas o ano de 2001 é marcado por grandes acontecimentos. O comandante Rolim morre tragicamente no dia 8 de julho em um acidente de helicóptero. Dois meses depois, a aviação internacional sofre um sério abalo e entra em um ciclo de retração em decorrência dos atentados de 11 de setembro. No entanto, a TAM cresce 31%, transportando mais de 13 milhões de passageiros e elevando o faturamento para cerca de 3 bilhões de reais.
Em 2001, a empresa incorpora mais 15 aeronaves Airbus A320 e dois Airbus A330. Mesmo com as adversidades, transporta quase 14 milhões de passageiros em 2002.
Em 2003 remaneja sua malha aérea, reestrutura-se internamente e dá início ao compartilhamento de voos com a Varig.
Depois de uma carreira de 30 anos na empresa, Daniel Mandelli Martin deixa a presidência em 2004, sendo substituído por Marco Antonio Bologna, que havia ocupado a vice-presidência Financeira.
Com o reaquecimento da economia, a companhia volta a operar os voos diurnos para Miami e incrementa a rota Paris. Além disso, inicia uma estratégia de crescimento para a América Latina e começa a voar diariamente para Santiago do Chile.
Para adequar a frota ao aumento de demanda no mercado doméstico e internacional, a TAM confirma a chegada do seu décimo Airbus A330 em outubro de 2005, que é usado nas viagens internacionais. A empresa também acertou junto à Airbus um cronograma para a entrega de mais 10 aeronaves A320.
No mercado doméstico, a TAM fecha uma série de acordos com companhias aéreas regionais para aumentar a sua cobertura no território nacional e oferecer novas possibilidades de conexão e de frequências para seus passageiros. Ao todo, foram 25 novos destinos nacionais, responsáveis pelo transporte de 38 mil passageiros a mais em 2004.
Os acordos envolveram cinco empresas: Passaredo, OceanAir, Total, TRIP e Pantanal. Com isso, a TAM passou a cobrir uma malha com 66 cidades no território nacional (sendo 41 destinos próprios).

Anos 2005-2006
Novas frequências para Paris, Buenos Aires e o lançamento do voo para Nova York, em novembro, contribuem para aumentar a fatia desse segmento. Além disso, a Companhia consolida seus voos para Miami, Santiago do Chile e reforça sua integração com a malha da subsidiária TAM Mercosur, sediada em Assunção, no Paraguai. No Brasil, a TAM chega a 46 destinos e, com os acordos comerciais com companhias regionais, atinge 73 localidades.
No primeiro semestre de 2006, reforça voos a partir de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, principalmente para capitais do Nordeste. Em julho, passa a voar para Boa Vista (Roraima) e inicia frequências diretas para Manaus a partir de São Paulo. A partir de 2 de outubro, começa a operar voo diário para Rio Branco (Acre) a partir de Goiânia, com escala em Brasília, e passa a voar para todas as 26 capitais brasileiras, além do Distrito Federal.
No mercado internacional, completa as sete frequências semanais para Nova York, iniciam-se novos voos para Miami a partir de Manaus e, com a TAM Mercosur, reforça Buenos Aires a partir do Galeão. Para Santiago do Chile, aumenta a capacidade com a operação do Airbus A330. Em outubro, inicia o voo para Londres.

Inicia-se a nova rota para Milão (Itália), passa a oferecer uma frequência direta entre Salvador e Paris, além dos voos ligando Salvador a Buenos Aires.
Lança a segunda frequência diária para Santiago do Chile e passa a operar o terceiro voo diário para Paris, França, desta vez com partida do Aeroporto Internacional Antonio Carlos Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro.
Como parte de sua política para o segmento internacional, estabelece parcerias estratégicas por meio da assinatura de Memorandos de Entendimento com a portuguesa TAP Portugal, a sul-americana LAN, a americana United Airlines, além da alemã Lufthansa.
Em julho, recebe autorização oficial da ANAC para iniciar operação regular de três frequências semanais para Frankfurt (Alemanha) e de sete para Madrid (Espanha).
Para operar o segmento internacional, anuncia a ampliação da frota, com a chegada de dois Airbus A340 e a aquisição de 22 Airbus A350 XWB (Xtra Wide Body) com mais 10 opções, para serem entregues entre 2013 e 2018. Além destes, a empresa confirmou o recebimento de mais dois A330 em 2010 e outros dois em 2011. Anteriormente, a empresa já havia anunciado a contratação de quatro Boeing 777-300ER, aumentando para oito o número de aeronaves desse modelo.

Ano de 2008
O ano de 2008 registrou momentos históricos para a TAM, como o reposicionamento de sua marca e o anúncio da entrada da empresa na Star Alliance, a maior aliança mundial de companhias aéreas. As diretrizes do reposicionamento da marca da companhia foram anunciadas em fevereiro. Ainda na área internacional, a companhia inaugurou novas rotas para Bariloche, Lima e Orlando, além de ampliar seus acordos de code share com várias empresas, como a TAP Portugal, Lufthansa e Air Canada; e, na América do Sul, manteve os acordos com a LAN Chile, LAN Peru, LAN Argentina e Pluna.
Em janeiro de 2008, a TAM obteve a renovação, por dois anos, do certificado IOSA (IATA Operational Safety Audit), recebido após auditoria realizada por técnicos independentes e credenciados pela IATA (International Air Transport Association), atestando a conformidade da companhia em 940 requisitos de segurança e qualidade operacional.
A empresa encerrou o ano de 2008 — em que recebeu seu primeiro Boeing 777-300ER — com 129 aviões, uma frota com idade média de 5,5 anos, uma das mais jovens do mundo, e devolvendo seus MD-11
A receita líquida no ano foi de R$ 10,5 bilhões, um crescimento de 29,7% em relação a 2007. O lucro operacional registrou aumento de 67,3%, também na comparação com o ano anterior, atingindo R$ 725,2 milhões.
Segundo dados da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), a participação média da TAM no mercado doméstico em 2008 foi de 50,3%. Já no âmbito internacional, a companhia ampliou sua participação entre as empresas brasileiras que voam para o exterior e, em dezembro de 2008, registrou o recorde de 85,5% de market share internacional.
O volume total de passageiros domésticos transportados pela TAM em 2008 foi de 25,6 milhões de pessoas, um aumento de 6,1% em relação ao ano anterior. No mercado internacional, foram 4,5 milhões de passageiros transportados, um crescimento de 22,4% em relação a 2007. A taxa de ocupação acumulada ao final do ano nos voos domésticos foi 68,1%, e a dos voos internacionais atingiu, no mesmo período, 75,5%.

Ano de 2009
Em 2009 uma das ações prioritárias para a adesão à Star Alliance foi a migração dos sistemas comerciais de gestão de passageiros e de check-in da TAM para a plataforma Amadeus Altéa CMS. Ao longo de 2009, a empresa realizou uma reformulação completa em sua plataforma tecnológica.
Em paralelo, a companhia ampliou sua atuação internacional. Em abril, iniciou um acordo de codeshare com a empresa britânica bmi e também um acordo regional com a companhia uruguaia Pluna para fortalecer o destino São Paulo-Montevidéu. Em maio, fechou codeshare com a Swiss. Selou, ainda, acordos de integração de programas de fidelidade com a Air Canada, Swiss, Bmi e Austrian. Em agosto, também deu-se início ao codeshare com a Air China para voos São Paulo-Pequim, via Madrid.
Em junho, de acordo com sua diretriz de contemplar multinegócios alinhados com a aviação, a empresa apresentou ao mercado o Multiplus Fidelidade, que atua com o conceito de redes de programas de fidelização.
Em 19 de dezembro, a TAM S.A., a holding controladora da TAM Linhas Aéreas formalizou a aquisição da Pantanal Linhas Aéreas, empresa de aviação que atende cidades de densidade populacional média nos Estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná a partir do Aeroporto de Congonhas (SP).
A Excelência Técnico-Operacional da companhia foi novamente reconhecida pela IATA (International Air Transport Association). Pela terceira vez, a qualidade e a segurança da TAM foram atestadas com a certificação internacional IOSA (IATA Operational Safety Audit).
A empresa encerrou o ano com uma frota de 132 aviões, sendo 107 narrow-body Airbus (20 A319, 81 A320 e 5 A321) e 25 wide-body, sendo 18 modelos Airbus (16 A330, 2 A340) e sete modelos Boeing (os 4 Boeing 777-300ER e 3 Boeing 767-300).
Em 2009, registrou-se um market share acumulado de 45,6% no mercado doméstico e de 86,5% entre as companhias brasileiras que operam voos internacionais. Transportou, ao longo do ano, 30,4 milhões de passageiros

Ano de 2010
No dia 13 de Maio, foi efetuada a entrada oficial da TAM na principal aliança mundial de empresas aéreas, a Star Alliance.A responsável pela entrada da companhia na aliança foi a United Airlines. Todas as aeronaves passam a ostentar ao lado das portas principais (dianteiras) os adesivos característicos da aliança, sendo que um A320 (PR-MBO) e um A330 (PT-MVM) apresentam o esquema de pintura especial da aliança.
No dia 13 de agosto, foi anunciada a formação de uma holding[3] com a LAN Airlines. As duas empresas formarão a LATAM Airlines Group, maior empresa aérea da América Latina e 10ª maior do mundo em passageiros transportados,[4] com voos para 115 destinos em 23 países, além de 40 mil funcionários.[5] As duas empresas continuarão a operar com suas marcas independentemente (como KLM e Air France), mas serão apenas uma companhia.
A Lan ficará com 70,6% da Latam, e a TAM, com 29,3%, sendo a família Amaro detentora de 80% do capital votante da empresa e também com participação na Lan.[5]
No dia 28 de outubro de 2010, iniciou-se o serviço de chamadas telefônicas, envio de torpedos e acesso à internet durante os voos da companhia para passageiros a bordo de uma aeronave Airbus A321 da TAM em rotas entre Guarulhos, Recife, Natal, Fortaleza e Porto Alegre. O serviço é inédito no país e surgiu de uma parceria entre a TAM e a OnAir, empresa que dá suporte para uso de celulares em aeronaves.
Após a adesão na Star Alliance, a TAM volta a firmar novos acordos codeshare com companhias também Star Alliance como ANA, para ligar as cidades de Tóquio e São Paulo via Londres, e além novos acordos com a Lufthansa para Amsterdã, Bruxelas, Genebra e Viena



Frota

Frota da TAM
Aeronave↓Total↓Passageiros
(Primeira Classe/Executiva/Econômica)
↓
Rotas↓Notas↓
Airbus A319-10026 (14 pedidos)144 (0/0/144)Rotas curtas, regionais e na Ponte Aérea
(Rio de Janeiro - São Paulo)
Airbus A320-20086 (32 pedidos)156 (0/12/144)
174 (0/0/174)
Rotas curtas, médias e internacionais
(Assunção, Buenos Aires, Caracas, Ciudad del Este, Cochabamba, La Paz, Lima, Montevidéu, Santa Cruz de la Sierra, Santiago)
Airbus A321-2007 (10 pedidos)220 (0/0/220)Rotas médias
(Fortaleza, Maceió, Natal, Porto Alegre, Recife, Salvador, São Paulo)
Airbus A330-20018 (2 pedidos)223 (4/36/183)Rotas médias e internacionais
(Buenos Aires, Madrid, Manaus, Miami, Nova York, Orlando, Paris, Rio de Janeiro, Salvador, São Paulo)
Airbus A340-5002267 (0/42/225)Rotas internacionais
(Milão e São Paulo)
Serão retirados gradualmente da frota a partir de 2011.
Airbus A350-800(10 pedidos)312 (expectativa)Rotas internacionaisSerão entregues a partir de 2014.
Airbus A350-900(17 pedidos)366 (expectativa)Rotas internacionaisSerão entregues a partir de 2013.Lançará o modelo na América do Sul.
Boeing 767-300ER3205 (0/30/175)Rotas médias e internacionais
(Belo Horizonte, Brasília, Manaus, Miami, Rio de Janeiro e São Paulo)
Serão retirados gradualmente da frota a partir de 2013.
Boeing 777-300ER4 (4 pedidos)[7]362 (4/56/302)Rotas internacionais
(Frankfurt, Londres, Santiago e São Paulo)
Total de aeronaves146 (89 pedidos)Atualizado: 18 de dezembro de 2010

A TAM possui apenas 2 tipos de Boeing's: o 777-300ER e o 767-300ER

Nenhum comentário:

Postar um comentário